Inktober - Materiais, técnicas, inspirações e a importância de desenhar a caneta

Em outubro aconteceu o evento Inktober, que sugere que você faça um desenho a caneta por dia durante todo o mês. Para mim, este não foi só um desafio e sim uma motivação que pouco a pouco restaurou a vontade de desenhar em meus sketchbooks e reforçou o amor por esta mídia.

Foi incrível também ter contato com a ampla gama de resultados que podem ser alcançados com diferentes tipos de tintas, como este exemplo abaixo do grande Mike Azevedo:

Arte de Mike Azevedo

Arte de Mike Azevedo

Quero, neste post, tentar transmitir um pouco dessa minha "descoberta", reforçar a importância de eventos como esse e da prática constante com a caneta e sugerir materiais, técnicas e exemplos do uso de tinta nos desenhos. Resumindo, os tópicos serão:

  • Inktober e importância de desenhar de caneta
  • Materiais
  • Técnicas e processos
  • Exemplos
Retirado do site Inktober.com

Retirado do site Inktober.com

Vamos começar com um vídeo que o criador do evento, Jake Parker, colocou recentemente em seu canal do Youtube (que por sinal tem informações muito interessantes em outros vídeos).

No começo, Jake só desenhava a lápis, talvez com "medo" de utilizar a caneta e se comprometer com o que estava desenhando. Em agosto de 2009, foi apresentado por um amigo do trabalho ao bom uso de tintas nos desenhos, especificamente na utilização de uma caneta que ele apresenta no vídeo (segue um link aqui ao lado).

Foi então que ele percebeu o potencial fantástico desta mídia e se comprometeu a fazer o mesmo, desenhando todos os dias com aquela caneta até alcançar o nível de confiança que desejava. Só que para isso ele precisava de algum tipo de motivação, não é fácil começar um projeto do zero e se manter constantemente fora da zona de conforto.

Para ele, a "criatividade é gerada por dois fatores: restrições e do senso de responsabilidade". A restrição viria no uso da caneta brush, de difícil manuseio e imperdoável nos erros, porém o senso de responsabilidade ele não tinha. A solução então foi dizer em seu blog que iria participar do Inktober no mês seguinte (evento que na verdade ele estava criando naquele momento). Foi então a primeira edição de uma série que viria a tomar enormes proporções dentre os artistas do mundo todo.

Arte de Jake Parker

Arte de Jake Parker

Nesta edição de 2015, as timelines de artistas no facebook e páginas do instagram ficaram lotadas de belíssimas demonstrações de como se usar uma caneta (veremos alguns exemplos mais para frente),  outras não tão bem sucedidas e algumas pessoas realmente se esforçando para lutar contra esta mídia. Todos tem um enorme mérito, pois no fim do dia, o que importa mesmo é continuar sempre desenhando. Mike Azevedo mesmo me falou uma vez, que se hoje ele tem mais confiança ao desenhar de caneta é porque ele falhou por muito tempo e não parou.

Mais uma vez, o importante é a repetição. Jake Parker sugere em seu vídeo que ao invés de fazer um desenho super acabado em 5 semanas, tente fazer 500 sketchs nas mesmas 5 semanas, errando constantemente e aprendendo com seus erros.

Aprendi a desenhar com lápis e borracha, corrigindo meus erros repetidamente até encontrar o resultado que buscava, e acho extremamente válido este processo também. Na caneta, encontramos uma dinâmica diferente, onde você terá que pensar muito antes de fazer uma marca no papel, visualizar aquilo que irá traçar e fazer o movimento com confiança, para que o desenho não fique sujo. Este processo, através do tempo, irá permitir que sua habilidade de pré visualização e a confiança em seu traço evoluam tremendamente.

Materiais

Muitos devem estar se perguntando neste momento se devem comprar a caneta sugerida por Jake Parker no vídeo. Na verdade, qualquer caneta serve, como por exemplo nossa boa e velha BIC, uma das minhas preferidas. Porém, Jake sugere no site do Inktober uma lista dos materiais de sua preferência. No longo prazo, o importante é sempre experimentar e ver a qual material você se adapta melhor. Segue a imagem das canetas e clicando na mesma você será redirecionado para o site do Inktober, onde pode encontrar mais detalhes.

Imagem retirada do site Inktober.com

Imagem retirada do site Inktober.com

Scott Robertson também sugere alguns materiais em seus vídeos e livros. Estas imagens abaixo são do livro How to Draw, que já discutimos aqui neste outro post do blog.

Retirada do livro How to Draw

Retirada do livro How to Draw

Retirada do livro How to Draw

Retirada do livro How to Draw

Ele basicamente usa dois materiais principais, estas canetas abaixo, a Pilot Hi-tec-c e os Markers  COPIC Cool Gray.

Feng Zhu também sugere estes mesmos dois materiais neste interessante vídeo ao lado. O interessante das canetas "ballpoint", ou esferográficas, é sua versatilidade para fazer tanto linhas finas e claras quanto linhas mais pesadas e definidas. Esta flexibilidade irá permitir uma adaptação mais fácil para aquele acostumados com o desenho a lápis, porém treinam menos as habilidades de visualização e confiança.

Feng também apresenta uma série de sketchbooks e papéis diferentes. Ele frisou a utilização de produtos baratos, para que sejam utilizados sem tantas restrições e que assim permitam erros e a experimentação. Este assunto é recorrente dentre artistas e já o discutimos neste outro post, sobre a palestra de André Rocca para o evento ICONIC.

O último material que gostaria de indicar são as canetas Staedtler, muito utilizadas e recomendadas por Peter Han em seus vídeos e cursos.

Técnicas

Tentei reunir diversas fontes sobre técnicas e a prática do desenho de caneta, com exemplos de alguns dos melhores da indústria.

Scott Robertson possui em seu canal do Youtube uma vasta gama de vídeos com experimentações em diferentes materiais. Um dos conteúdos que me interessou muito foi esta sugestão, abaixo, do estudo de tipografia com brushpens, ou canetas pincel, para desenvolver as habilidades manuais. Qualquer pequeno desvio ou falta de concentração o forçará a começar todo o desenho novamente. É um boa forma, talvez um pouco frustrante admito, de praticar o poder de visualização, controle do traço e leitura da ângulos, curvas e espaços.

Outra importante habilidade é o chamado line weight, ou peso da linha, utilizada para dar tanto dinamicidade e ritmo de leitura quanto a sensação de profundidade aos desenhos.

Nestes dois vídeos abaixo, Scott apresenta uma série de exemplos de utilização desta técnica. O motivo físico por trás da line weight é a perspectiva atmosférica, que pelo volume de ar cada vez maior entre você e objetos distantes, gera uma redução nos valores tonais e contrates. Também existe uma breve explicação no terceiro vídeo abaixo. 

Os demais vídeos são demonstrações por Scott do uso de diferentes materiais e técnicas, vale a pena assistir e analisar como ele os utiliza.

E também outros vídeos dos artistas John Park, James Paick, Vaughan Ling, Kim Jung Gi e Glenn Vilppu. Discutimos quase todos estes artistas em mais detalhes neste outro post, somente Glenn Vilppu ainda não foi apresentado aqui no blog, porém o farei em um futuro próximo.

Sketchbooks

Como Jake Parker disse, somente a prática e repetição levarão a confiança nesta mídia. Sendo assim, tire seus sketchbooks do armário e mãos a obra. Simplesmente comece, sem pensar muito e aos poucos você irá ganhando destreza e mais e mais motivação. Seguem alguns exemplos de sketchbooks com desenhos a caneta, de Scott e do artista Darren Quach.

Você pode também comprar sketchbooks de artistas renomados e tentar entender um pouco mais de seus processos, como é o caso de Darren em seu livro Inkworks.

Exemplos

Antes de apresentar alguns exemplos do Inktober deste ano, gostaria de apresentar um artista indicado pelo Mike AzevedoHeinrich Kley. Você pode ver a dinamicidade de seu trabalho de caneta nas imagens abaixo e, se tiver interesse, ler mais a respeito neste post do fantástico blog Muddy Colors.

Arte de Heinrich Kley

Arte de Heinrich Kley

Arte de Heinrich Kley

Arte de Heinrich Kley

Arte de Heinrich Kley

Arte de Heinrich Kley

Vamos então aos trabalhos feitos para o Inktober 2015 por 10 artistas fantásticos. Todos me inspiraram muito. Do #1 ao #7 são todos artistas brasileiros e os demais cada um de um lugar do mundo. Se quiser saber mais informações sobre cada artistas, basta clicar no nome ou nas respectivas imagens.

# 1 - Cesar Rosolino

# 5 - Iuri Lioi

Espero que você tenha se motivado tanto quanto eu a experimentar o desenho com caneta e/ou pincel. Comente abaixo sua experiência com estas mídias!

Gostou deste conteúdo? Compartilhe com os amigos através do botão de Share logo abaixo do post! Se inscreva também na lista de e-mails e na página do Facebook para ficar por dentro de todas as novidades!

Leia mais sobre desenho nestes outros posts:

Obrigado por acompanhar!