Motivação - Um passo de cada vez...

Semana passada tivemos uma explosão de compartilhamentos nas redes sociais deste vídeo abaixo, de Jake Parker, criador do Inktober e grande ilustrador.

 Retirada do canal do Youtube de Jake Parker

Retirada do canal do Youtube de Jake Parker

Achei o tema perfeito para retomar as postagens aqui no blog. Mas antes de mais nada, assista ao original, é só pouco mais de um minuto:

Jake foca nos aspectos artísticos, mas eu queria ir além e discutir estes conceitos em nossa vida como um todo. Este post é um complemento direto ao que fiz sobre motivação e utilizarei algumas referências de lá, então talvez seja interessante lê-lo antes clicando aqui.

Para quem conhece o projeto, sabe que a junção dos mais de 50 posts, entrevistas e bate-papos, além de um curso com um formato um pouco diferente, fazem do Brushwork Atelier o que tenho respirado no último ano. Ok, mas o que isso tem a ver com o tema?

Na verdade, tudo! Brigo diariamente com essa dualidade entre pronto e "perfeito". E coloco este segundo entre aspas, porque a definição de perfeito neste contexto é bem relativa e para ser sincero acho que na maioria das vezes não sabemos nem definir o que é o cenário perfeito.

O que seria um post perfeito antes de postar? Não sei, sinceramente. Mas tenho certeza de uma coisa, já me vi muitas vezes paralisado pelo medo de não estar "perfeito", sem mesmo saber o que era isso. Será que todos os conteúdos que eu poderia incluir estão lá? Será que coloquei exemplos demais? Texto demais? Deveria ter traduzido aquele outro conteúdo?

Com o tempo, fui percebendo que trabalhar de uma forma mais orgânica era muito mais interessante. Desde o começo venho melhorando e deixando os discursos mais claros e fluidos, pelo menos eu acho e é o que dizem para mim (obrigado, mãe!). Mas isso veio com horas e horas de dedicação, começando o post sem esperar muito e ir lapidando até um nível razoável e depois, vamos para o próximo!

Com o curso Brushwork Atelier Online aconteceu o mesmo. Fiquei mais de um ano discutindo modelos, formatos, conteúdos e no final ainda não tinha muitas certezas. O que eu tinha certeza é que tinha uma bagagem vasta, segurança no tópico que iria abordar e dedicação para fazer acontecer. Introduzir um novo formato é algo assustador, mas se ficasse me perguntando demais nunca sairia do papel. Até o momento, os alunos parecem bem satisfeitos com o que estão recebendo.

Minha carreira artística, em contraponto, sempre sofreu muito com a busca da tal perfeição, muitas vezes não do meu próprio trabalho, mas daquele curso perfeito, sabe? Aquele que vai salvar nossa vida, "aí sim eu vou estudar pra #$@%@!". Já ouviu algo parecido? Carrego esta sina até hoje e tenho aos poucos conseguido sair do lugar e me soltar das amarras fazendo "de qualquer forma", sem me preocupar a princípio com os resultados de longo prazo.

Quis expor aqui minha experiência também para não parecer uma coisa muito auto-ajuda, apesar desse desabafo também ser uma forma de cobrança pessoal.

Em arte, assim como outros processos criativos, temos muitas travas que nos seguram na zona de conforto. Sempre focamos naquele momento perfeito, em que teremos condições financeiras, emocionais e disponibilidade de tempo para estudar muito e em 6 meses arrumar um emprego na Pixar. E é aí que pecamos muito, feio mesmo. "Errou rude".

Cada um de nós tem um caminho e quanto antes aceitarmos isso, melhor será. O caminho perfeito, o emprego perfeito, o lugar perfeito para morar, são muito mais criações de nossas mentes do que realidade. Temos que tomar cuidado com as palavras que ouvimos por aí, de que tudo é possível e que se você não conseguir é culpa sua. É a meritocracia utópica dos tempos modernos.

Muita gente vende esta falácia e pior de tudo ainda ganha dinheiro com isso. Não quero jogar um balde de água fria também, muito do que você vai conseguir vai depender de dedicação e criticidade, mas quero tentar abrir os seus olhos para a sua própria realidade. Tendo essa visão tendenciosa de que seu "fracasso" (cuidado com essa palavra também) é só culpa sua é mais um obstáculo na jornada e um grande motivador da procrastinação.

Também não estou passando a mão na sua cabeça e falando que vai cair do céu. A questão aqui, e agora voltando ao vídeo inicial, é que você deve fazer projetos sem esperar grandes resultados mirabolantes. Você não vai fazer aquele curso online que está pagando com um dinheiro que não tem e irá virar um character designer da Pixar em 6 ou 8 meses. Serão anos de dedicação. E estes anos tem que caber na sua realidade, na sua rotina, nas suas oportunidades. Você tem que estudar Character Design, ou environment design, ou desenho, principalmente porque você se interessa pelo tema e quer se aprofundar. Desvendar conceitos, gerar questões, buscar as próprias soluções, errar bastante, sem a cobrança daquilo ser um primeiro passo de uma "carreira brilhante".

Hoje em dia, temos tanto acesso que fica até fácil falar que é tudo culpa nossa. Pensar que um artista como Alex Oliver, começou esculpindo sem acesso a praticamente nada e virou uma das maiores referências da escultura tradicional e digital do mundo do entretenimento. É realmente um pouco hipócrita reclamarmos de acesso, mas por outro lado, acho que este acesso, principalmente a outros artistas e suas histórias de sucesso, nos tirou a curiosidade. Estudamos hoje em dia para ter um emprego bacana com um nome bonito e não mais tanto pelo que estamos realmente fazendo.

Conheço a história do Alex e sei que o cara era fissurado no Jurassic Park, e era aquilo que ele queria fazer, esculpir dinossauros. O que isso ia gerar e se ele ia trabalhar um dia com isso não fazia tanto parte da questão naquele momento, o que ele queria era saber como fazer aquilo. Como FAZER o filme, efeitos, esculturas e não como TRABALHAR com aquilo necessariamente (apesar do sonho existir, mesmo que um pouco indefinido). Você pode ouvir a história dele no vídeo acima.

Como disse Jake, pense em terminar algo antes de fazer da forma perfeita. E terminar pode ser uma simples sessão de estudos. Hoje meu tópico é musculatura do braço, por exemplo, como tenho 30 minutos só, vou focar em entender o deltoide. É isso que te importa naquele momento, ver como é complexa e interessante a anatomia humana e como traduzir aquilo no desenho. O que isso vai gerar no futuro pode até estar no fundo da sua cabeça como motivação, mas ao invés disso está na frente da sua cara em forma de cobrança.

Faça projetos, aplique, estude, se divirta. Não cobre uma mudança de emprego quando não estiver ainda na hora, não "largue tudo" sem ter um plano, não simplesmente sonhe. Sonhe com intuito e com motivação, mas com menos cobrança.

Sua jornada pode levar 2 anos ou pode levar 20 para trazer "resultados", isso é de cada um e inevitável. Abrace o seu processo e o seu ritmo, sendo sempre profissional e aplicado no que faz. A verdade é que você nunca irá parar de aprender, uma vez que começar a se aprofundar neste meio.

E se os "resultados" nunca vierem? A grande pergunta é, você está disposto a não fazer isso? Você faz por interesse no assunto ou por que quer ganhar dinheiro? Sempre levanto a bandeira de valorizarmos financeiramente nosso trabalho, mas você não precisa necessariamente fazer algo que gosta para ganhar dinheiro. Vá aos poucos descobrindo o papel da arte na sua vida, como ela vai evoluir e como vai se espalhar no seu dia a dia.

Foque em se tornar 1% melhor a cada dia ou sessão de estudo, e não 50%. Não cobre uma melhorá de 200% em uma semana de estudos e sim de 5%. Foque em identificar e atacar problemas, ao invés de construir o plano perfeito de estudos. E só fazendo você irá identificar seus erros.

Nestes vídeos abaixo, Bobby Chiu apresenta vários conceitos interessantes sobre arte e motivação, mas para mim destacaram-se estes:

  • Força de vontade é algo que se constrói, um passo de cada vez. Você não criará força de vontade para estudar 18h por dia de uma hora para outra. Vá construindo seu momentum, quebrando a inércia da zona de conforto e se impondo uma rotina. Acorde cedo ser for necessário.
  • Artistas não postam desenhos que não gostaram, então não compare suas falhas aos acertos dos outros. Menos ainda com acertos de horas de dedicação e anos de estudos.
  • Paixão também vem com o tempo e com o descobrimento, maturidade e dedicação. Não espero ser obcecado por um assunto do dia para a noite.
  • Saiba respeitar seus compromissos, as necessidades daqueles a sua volta e seu tempo. Por outro lado, se dedique de forma profissional. Não cobre uma mudança drástica em um curto período, isso só gerará frustrações. Constância e profissionalismo.
  • Se você é mais velho, sua maturidade é uma ferramenta e não um obstáculo! Use-a como tal, ao invés de como desculpa.
  • Seja paciente! A jornada poderá durar décadas, então abrace o momento.

Espero que ajude! Divirta-se um pouco! Não foque só nos resultados financeiros e glamourosos, mas no prazer de adquirir conhecimento e em evoluir, um passo de cada vez...

Gostou deste conteúdo? Compartilhe com os amigos através do botão de Share logo abaixo do post! Se inscreva também na lista de e-mails e na página do Facebook para ficar por dentro de todas as novidades!

Muito obrigado por acompanhar e bons estudos!